18 agosto 2015

Dilma, a Provocante

A presidente Dilma, em resposta a enorme rejeição popular ao seu governo, afirmou que ela "aguenta bem a pressão", isso após os protestos ocorridos no último domingo. 
Está ai uma característica comum a todo tirano: menosprezar a vontade do povo.
Ocorreu com o ditador do Paraguay, que empurrou para a morte todo contingente de homens do seu país durante a Guerra do Prata. Seu exército estava derrotado, encurralado pela tríplice aliança formada por Argentina, Brasil e até paraguaios, se fosse sensato, render-se-ia, mas este tipo de ato arrazoado não integra a cartilha de ditador algum, e após mandar os adultos, Rosas enviou crianças para as batalhas, os meninos disfarçavam-se com bigodes postiços e iam para a linha de fogo.
Tiranos não cedem, não ponderam, não aceitam a decisão da maioria, quem está abaixo das suas botas não passa de instrumento de perpetuação no poder. Tiranos não se rendem. E tem umas ideias raras, sobre como o mundo deve comportar-se para com eles. 
É sabido que a história é contada pelos vitoriosos, mas evidências como a falta de amor e cuidado para com seu povo, demonstrada por Rosas, são irrefutáveis.
Fidel Castro, afirmou recentemente que os Estados Unidos devem uma compensação monetária a Cuba devido ao embargo sofrido pelo seu país desde que ele se fez imperador vitalício. 
Na minha concepção, Fidel deveria pedir perdão aos que lesou e obrigou a viver sob duras condições, tão somente para mantê-lo no poder. Fidel deve ressarcimento às famílias que aleijou durante seu governo ditatorial. A família de Fidel deveria ser responsabilizada, já que seu filho assume agora o posto de Fidel. 
É uma monarquia, o sistema de governo em Cuba? 
O imperador Fidel, do corrente uso do "cortem-lhes a cabeça" é um que pressão alguma demove do cabeçadurísmo.  
Dilma aguenta a pressão, sim, e não tem vergonha, não. Nem juízo. E não respeita a Constituição
Agora, como provocação máxima, nomeou como líder do governo um senhor cujo assessor foi flagrado em 2005, levando dinheiro escondido na cueca para o exterior. 
É para esta mulher que devemos respeito? 
É a um tipo assim, que todos nós honramos, elegendo como  presidente do Brasil? 
Na época em que foi eleita, Dilma mostrava outro perfil, declarava outras intenções. Golpe!

17 agosto 2015

Sou Única

"A razão por que muitas aventuras têm início é que os aventureiros ficam sentados diante da lareira, em confortáveis livings e sem ter a menor ideia de onde se estão metendo. Espreguiçam-se na poltrona longe do frio, da chuva, do vento ou da tempestade e dizem, puxa, está na hora de alguém descobrir o Pólo Norte. Mergulham num sonho de glórias e, uma hora mais tarde, ainda sonhando, põem rodas  a andar, desdobram mapas,  incitam outros aventureiros a mudar de vida, a dizer 'Porque não?' e 'Claro que pode ser feito, eu estou nessa!' - eles próprios envoltos numa nuvem de fantasia, onde as dificuldades e os problemas são apenas palavras que os timoratos procuram nos dicionários."

Extraí do livro O Dom de Voar, de Richard Bach, editado no Brasil pela Editora Record, um exemplar de uma sexta edição que adquiri em um sebo em Mariluz.
Muito obrigada por tudo! Só perde tempo comigo quem pensa que vou me meter em concurso de beleza física, aos quase cincoenta, sendo avó, mãe de quatro filhos e não assídua em tratamentos cosméticos. Mas um concurso que privilegie gana por por aprender...esse está no papo. Faço sombra.

Foto: Joseph Hawkins

16 agosto 2015

Perdeu

Tempo! Tantas vezes a competitividade é tomada por competência em nossos relacionamentos, que até mesmo quem tem bem clara a diferença entre o ato da comparação e o saldo da contagem de pontos extras, acaba se deixando envolver.
Eu não posso competir, assim, gratuitamente somente porque sou desafiada, já vou avisando, pois estou envolvida demais com meu aprendizado e crescimento. Ainda mais por quem tem o costume. ainda mais pelos viciados. Não dou nem pro início, nestes caso, eu nem quero entender nem dedicar tempo e espaço para isso.
Eu sou flor sorrindo de pétalas ao vento.
Sou pedra rolando em cantante regato limpo.
Sou polenta bonita por ser amarela, borbulhando na promessa nutritiva.
Sou um rádio ligado nas manhãs de sábado.
Sou a alegria no banho de mar.
Sou a jornada diária pela estrada campestre.
O cheiro do mato depois da chuva
Do plástico novo na pasta escolar.
As cores pastosas, o boom da terebentina aberta depois de meses sem pintar.
Sou caminhar de mãos dadas com uma criança.
Ficar parada de mãos dadas com uma criança.
A conversa com uma amiga que não conhecia, na rua.
A cura de uma pequena doença através de um chá.
O receio pelo destino da humanidade.
A preocupação pelas minhas dívidas
A ansiedade pelas dúvidas
A reação imediata e o perdão certo.
Sou isso quando estou em mim e tantas coisas mais.
Mas não faço massagem, 
não tenho dinheiro, carrão sensacional, ninguém me assessora, não posso sustentar esquemas fabulosos de ostentação não posso viajar quando e para onde eu quiser, e eu tenho que decidir tudo sozinha.
Amanhã é segunda-feira e tenho que alimentar os bichos, lavar roupas, limpar a casa e estudar inglês - sozinha. 
Amanhã eu devo não sentir mais cólicas, devo sentir pressa e no final do dia sentirei canseira. 
Amanhã preciso fazer algo que prometi a alguém, ao menos iniciar, que era para ter feito no mês passado, mas que não fiz porque me envolvi em coisas maiores do que minha capacidade de resolver.
Amanhã - que tal se alguma coisa falha e eu tiro tempo para - escrever sobre a propriedade do Príncipe Charles com sua plantação de macieiras com mil variedades, e sobre o plano para redução do aquecimento global, lançado pelo Presidente Obama. Sobre o acordo do governo dele com o Irã, visando o não desenvolvimento de armas nucleares.
Se amanhã não puder fazer algo, sigo desenvolvendo as ideias, que me acompanharão até que estejam maduras.
Tudo tem um norte e um sentido, mas competir para ver quem tem mais bens que proporcionam qualidade, eu não tenho vontade, nem posso!
Eu passo a vez porque estou em paz no meu agosto, sei que o que é meu está guardado.
Eu nem sei porque certas pessoas insistem em competir, ao invés de cooperar. Decerto porque não podem cooperar e não possuem a humildade de pedir socorro, deduzo que é como aquele dito "gol, quem  não faz, leva!", então, será que quem não coopera para a leveza, é porque carece dela? 
Não apreendo o vício de competir por banalidades, no amor, na amizade, tornando tudo um inferno que não permite que ninguém seja o que é.
Que os grupos afinados compitam em seu jogo previamente acertado, não questiono, o que não gosto é quando me puxam pro fogaréu, decerto porque se irritam ao ver gente lendo em seu canto. Quietinho, parado, pensando.





11 agosto 2015

Desgosto de Princesas

Desgosto ao ouvir adultos declarando as meninas de suas famílias como princesas.
São pais e mães que, ou não pensam, ou pensam  mas tem uma ideia errônea do que é ser uma princesa, pois a estas meninas dão a pior educação possível, são crianças criadas para comportarem-se como larvas sem o benefício da transformação, se obedecerem a sina ditada pelos incentivadores. Na natureza, a larva é apenas um estágio, e as meninas princesas ao chegarem na idade adulta continuam a agir como se portassem alguma deformidade incapacitante.
São filhas de mães que procuram alcançar resultados, não importando os meios que empreguem, somente o que conta é o resultado. Mas os resultados, a coroação, o êxito que elas valorizam  não é para todas e, na economia universal, o êxito só é permanente e autêntico quando obtido com lisura e transparência.
Pobres meninas ricas ou pobres: pobres princesas  fadadas a frustração e quase sempre obtendo como maior calo laboral, o desequilíbrio psicológico.
Eu desgosto de mães que dizem que criaram suas filhas como princesas, que devemos tolerar-lhes qualquer abuso, "porque foi criada como princesa."
São unânimes em declarar de onde vem a realeza:
"Sempre foi a princesa do papai." A mãe é a dispenseira, a governanta, a preceptora, em tais casos, é também o arauto, sempre!  Mas é ao pai que é dado o crédito, é onde está a raiz da nobreza.
Somos buscadores, buscamos especialmente um lugar especial nos corações e mentes, é natural, mas não é natural jamais olhar-se no espelho da consciência, não pesar as palavras, não buscar a origem delas e suas consequências, ainda mais quando definimos os amados.
Não é ao declarar que a minha filha é uma princesa que estou garantindo-lhe uma jornada menos agreste. Pior...estou limitando-lhe as opções, e ninguém quer limitar oportunidades de desenvolvimento para os filhos, mas estamos muito enganados quanto ao que seja pertencer a uma família real. 
É trabalho duro, minha gente, é ser trabalhado desde o nascimento, e antes; à criança real não é dado o mesmo o direito de uma gestação normal, ela é cobrada pela sociedade, ha que sair tudo muito certo: "Encante-nos como é sua obrigação!" 
É pressão por todos os lados, educacional, familiar, social, e além do mais, estar no foco como símbolo de riqueza e status é a mais arriscada de todas as modalidades de vida existentes sobre a terra. E como deve ser crescer, formar-se com esse peso sobre si?
Não há quem não conheça ao menos uma pessoa capaz de matar por dinheiro, pois é, há muitas, e todas esperando uma oportunidade, ou operando para gerar uma, de alcançar as jóias.
A condicionamento princesa, na minha opinião, é pior do que o das profissões femininas, em que as famílias identificam os dotes domésticos das filhas e incentivando-os, excedem-se sufocando dons, talvez.
Eu incentivei minha filha na cozinha, ela percebeu a limitação e foi para outros ramos diametralmente opostos, eu fui junto, incentivando. Eu incentivarei qualquer coisa que não seja prevalecer-se sobre o outro na postura do direito adquirido ao nascer. Quanto às filhas, educar, proteger, dar carinho e proporcionar bons momentos, mas preparar para um futuro plebeu, penso que é a postura mais sensata.
Se aparecer um príncipe consorte para ela, não judie dele, fique "de boa". Mas não é o objetivo, não enlouqueça, neurotize sua filha. Tu sabes quantos príncipes estão dando sopa neste momento, no mundo?
Pois não é um número suficientemente grande para atender a abundância de filhas princesas, isso eu garanto. 
Hoje em dia, a probabilidade de encontrares um príncipe para sua filha plebeia, embora irrisória, ainda é maior do que foi antigamente, quando os príncipes casavam-se com princesas da família. No antigo Egito era rotina o príncipe casar-se com a irmã para garantir que o poder ficasse em família. 
Não é mais assim.
Então, queres iludir sua filha princesa de que príncipes abundam? Que seja, mas na grandessíssima parte das vezes eles não admiram moças larvas. 
E o mais estranho é que as mães ditas lutadoras pelos direitos das mulheres é que criam filhas princesas, "para não sofrer como eu", e quem disse que larva é sensível?
Ah, eu já sofri tanto. E superei-me, espero que minha filha sempre saiba superar-se, pois a única garantia que temos, é a de que continuaremos a enfrentar provações. Tudo bem, desde que vencê-las seja uma vocação. Ter objetivos é uma benção, ter determinação e coragem para lutar por eles é que é a coroação. 
Ensinar sua filha a desejar que os outros se deitem para ela pisar em seus pescoços é sinônimo de loucura, é enlouquecê-la, não enobrecê-la.


01 agosto 2015

Eu Sou!

Temos desejado a melhoria do nosso cenário político e agido como quando discutimos o enredo de um filme e a seleção de atores escalados para atuar nele. Nada depende de nós. 
Quantos aos filmes, interagir com a produção, sugerir artistas é uma coisa possível, mas dificilmente nossas sugestões serão levadas em conta, uma vez que as escolhas acontecem privilegiando aspectos que não dominamos, inerentes às produções. 
Quanto à política nacional, logo seremos beneficiados com a mesma impotência que nos tornará oficial e legalmente apenas expectadores. 
O partido que preside o Brasil, e que nos trouxe ao estado novo em que nos encontramos, elaborou um projeto que será votado na próxima semana em caráter prioritário, que taxa como terrorismo, preparação para ato terrorista, iniciativas populares de cunho político ou ideológico. 
Não sou especialista no assunto, mas o grupo que domina o país, e que tem atuado na surdina tecendo conspirações rebuscadíssimas para evitar o surgimento de oposição efetiva ao seu governo de crimes e desmandos, que age silenciando indivíduos que alertam os incautos sobre suas ações, ganha com este instrumento, se aprovado, mais poder contra a democracia do que qualquer outro que em qualquer época já governou o Brasil. Exceto os Tapuias em suas regiões, com suas medidas drásticas. Ganha a mão de ferro.
É mais uma alteração na lei, a que faltava ao facismo  do PT, da Dilma, do Lula.
É interessantíssimo acompanhar as notícias sobre países cujos sistemas democráticos estão consolidados, que possuem a economia estabilizada e em crescimento, onde a discussão política saudável proporciona atitudes opositórias que chegam a surpreender-nos pelas liberalidades, que beiram ao desrespeito aberto, mas são toleradas em benefício do sistema em evolução, e como estes gigantes tratam e analisam com extremo cuidado qualquer alteração constitucional.
O que se fez no Brasil, desde que o PT foi empossado, depondo os bastiões da legalidade e substituindo-os por lacaios coniventes com bandalheiras alarmantes é inconstitucional desde o começo. Mas em benefício da democracia se tolerou. 
Tenho ouvido conversas mais interessantes ainda, desde que o PT opera a largas passadas  institucionalizando a corrupção e partidarizando a máquina pública, sobre a beleza de ver o povo no poder. 
Que povo, pergunto aos estudantes? A que povo pertencem Dilma Roussef, Lula e o seu Frei?
A um povo que não trabalha pelo povo autêntico do Brasil, mas que trabalha para consolidar um sistema repressor de ditadura universal.
Desculpe-me, não posso me furtar a comentar o que sinto, o que concluo do que estudo; deduzo que aterrorizantes centúrias, premonições e profecias, estão a beira de cumprirem-se. 
Basta ver o estado de hipnose geral que permitiu que estes seres entronados chegassem tão longe. 
Não é a realidade o que a maioria esta vendo e vivendo. Saber, ser testemunha de que o povo que queixava-se de tudo, que nada suportava calado, agora observa os desmandos como quem assiste passivo a um filme.
Os testes já foram feitos, quem ouve os pronunciamentos de Dilma sabe que são como beliscões na consciência popular adormecida. Ela pode dizer o que seja, brincar como deseje e a hipnose da sua vítima não se desfaz.
Quem hipnotizou-nos?
Ora. não me venham com gozações sobre a fala estúpida da Dilma. Palhaço é quem pensa que ela o faz por incompetente ou tola.


28 julho 2015

O Dom de Voar - Richard Bach

"Todos os pilotos vivem o mesmo céu em todo o mundo, mas os pilotos das grandes companhias têm mais obrigações e vivem mais rigidamente dos que de qualquer outro tipo, mesmo os pilotos militares. Têm de engraxar os sapatos, usar gravata, ser gentil com os passageiros, seguir as regras da sua companhia e as do Regulamento Aéreo Federal, nunca perder a cabeça.
Em troca, recebem mais dinheiro por menos trabalho do que qualquer outro profissional e, mais importante ainda, têm o privilégio de pilotar excelentes aparelhos, sem ter de pedir desculpas a ninguém.
Hoje em dia, as principais companhias exigem instrução superior dos seus candidatos a piloto e, com isso, perdem os seus melhores homens para as pequenas companhias (que realmente precisam dos melhores pilotos, para enfrentar um maior número de problemas) e para as companhias de táxis aéreos e pulverização agrícola. O porque dessa exigência de instrução superior não se entende bem, já que um piloto com conhecimentos de zoologia pode saber muito de ictiologia, mas um piloto formado na escola da vida - cujas fileiras são grandes, embora estejam diminuindo - voa e pilota seu avião porque se interessa por ele e lhe tem amor, e não apenas porque deseja obedecer às exigências da companhia."
Extraí este trecho do livro O Dom de Voar, escrito por Richard Bach e publicado no Brasil pela Editora Record, o meu exemplar é um da oitava edição, adquiri-o em um sebo na praia de Mariluz.
Richard Bach, neste livro, compila crônicas escritas em uma determinada época de sua vida, quando ainda lutava com o arranjo das ideias, mas já declarava estar sentindo-se mais bem sucedido quando escrevia como respirava, no piloto automático. 
O Dom de Voar chega às minhas mãos trazendo tanta inesperada informação técnica sobre estes aparelhos voadores que admiro e amo, que penso que é a bem-vinda parte teórica de um curso de pilotagem e também manutenção de um aparelho. A brilhante afirmação que reproduzi acima está no capítulo À Deriva no Aeroporto Kennedy, mas está ligado, sendo a conclusão para um raciocínio lançado em um dos primeiros capítulos do livro, o Aço, Alumínio, Porcas e Parafusos, em que Richard descreve de forma descontraída, sintética mas muito ilustrativa a composição material de um avião, motor, fuselagem e esquema de produção e funcionamento, para finalizar narrando um episódio real em que um colega piloto sofre um acidente e salva-se devido a um milagre de interação "emocional" com a máquina, um antigo modelo Aeronca Champ.
Não vou narrar o episódio completo, espero por ti, para que leias e depois possamos comentar, tecer conjeturas, comparar dados.

"O mundo da aviação não se relaciona apenas com decolagens, pousos e funcionamento dos motores. 
-Voar é minha religião, diz Richard Bach, é a maneira que tenho de descobrir a verdade."
  

06 julho 2015

Muitas tecnologias sobrepostas, e Deus Sobretudo!

O homem dispõe de tecnologia para fazer o que a maioria nem imagina, hoje. é inquestionável.
Mas em minha memória eu confio. 
Mas das conversas que tive com minha avó, Conceição, eu é que sei, das informações que recebi dela, eu testemunho.
O homem pode projetar holografias, os drones mapeiam o céu, disso estou farta de saber, eu até já estive presente em seminário de tecnologia de ponta sobre telecomunicações sobre tenologia em drones e topografia, eu sei sobre o céu coberto de satélites além das nuvens. Eu sei. 
Mas ser uma pessoa muito ligada à família, pertencer a uma família muito conectada a Terra, mais que tudo, especialmente a uma certa parte da família desconhecedora de TV, livros e jornais até recentemente, e, portanto, muito alienada das neuroses das massas, me garantiu informações desde sempre, que muitos nem sonham. 
A única certeza de que tenho, conhecedora desde a primeira infância, nesta vida, de que as Mães da Vida circulam entre nós desde tempos imemoriais para alguns, afirmo que certas condições são inerentes ao planeta. Eu ouvi esta afirmação de um personagem de um filme e tive que rir-me, não importa a mensagem daquele filme feito para assustar, as Ma~es da vida nunca assustaram quem vive em harmonia com a natureza e é ousado o bastante para afirmar que não tem medo de campanha para dominação, pois é conectado com o Criador, e é indominável: Uma força da natureza. 
Esta noite fez frio, cobri-me com um cobertor térmico
Sobre ele coloquei um acolchoado, sobre ele um cobertor de lã
Sobre ele uma manta de soft
Sobre ela havia Deus, que me proporcionou tudo isso, sorrindo, por me ver tão friorenta.
Mas ele sabe que posso mudar esta condição desde que eu não sinta prazer no medo, digo, em fingir-me de lagarta no inverno.

foto:fiz há alguns meses

26 junho 2015

Casamento Gay Não é Loucura, Loucura é a Promiscuidade, que Rebaixa Héteros e Homos

O que iremos viver após a legalização do casamento gay nos EUA, não se altera para os que não o são, uma vez que o medo que aflige as pessoas hétero, especialmente aos pais, referente à garantia do direito ao casamento gay, é o do reforço na atração que o novo tem sobre mentes em formação, é o de que os jovens passem a receber uma mensagem de obrigatoriedade, de que venham a ser mais assediados agressivamente por todo e qualquer um, especificamente pelos que deveriam manter-se em equilíbrio, deixando de fora a libido, em setores como os ligados a formação e educação.
Eu penso que o reconhecimento legal das uniões entre casais do mesmo sexo pode ser um mecanismo que traz ao patamar do corriqueiro, relações que, reconheça a Igreja ou a lei, ou não, existem e continuarão a existir.
É preciso manter a sensatez a qualquer custo, neste momento nevrálgico de pressão intensa social, a bem da paz.
Não altera a minha vida, que meu amigo seja casado com um homem que ele ama, que minha amiga tenha uma relação estável com uma mulher que ela ama. Eu não posso arbitrar o relacionamento do outro, que tem por motivação um amor que dificuldade nenhuma conseguiu acabar.
Eu não seria justa, se tivesse o poder de obrigar a duas pessoas que se amam a ponto de viver uma relação marital, a afastarem-se, porque eu quero que para os outros tudo seja como é para mim. Precisamos ter muito claro que até este ponto não há abuso moral, não há ética ferida, na união de duas pessoas que se amam e que querem reconhecer perante a lei sua união.
O ponto nevrálgico que faz com que a sociedade entre em ebulição quanto ao reconhecimento das uniões homossexuais está em confundir um ganho de maturidade com os programas experimentais e aberrantes que pretendem difundir que experimentar relações homossexuais deve ser uma passagem obrigatória para o ser que desabrocha para vida sexual, como acontece no Brasil, como acontece abertamente em uma das escolas em que meus filhos estudaram, em que se instituiu um dia em que os rapazes vão ´para escola vestidos de moça e fazem apresentações artísticas e as moças de rapazes e se apresentam para receber notas por isso. 
O problema está em nomear a um jovem gay em crise aberta contra o sistema, como orientador pedagógico de uma escola infantil. 
Mas nós convivemos com essa realidade e teremos que enfrentar esta fase alterada mantendo-nos sóbrios e sensatos, tanto como acontece quando uma professora hétero agride um pequenino por problemas psicológicos devido a ter sido diagnosticada como estéril. Neste caso, quando a professora ou monitora ataca uma criança, nosso filho, ou criança que esteja sob nossa proteção, levamos a causa até a justiça e lutamos por justiça. 
A justiça é para todos, inclusive a maior, que é feita por Deus, os Deuses, como ocorreu em Sodoma, depois de para lá terem sido enviados anjos para a casa de Ló, anjos que tiveram a integridade ameaçada pela turba que gritava da rua pedindo que Ló os fizesse sair para a rua porque os transeuntes que os viram, os cobiçaram por sua beleza e exigiam terem relações sexuais com eles, os anjos  conseguiram escapar carregando Ló e sua família para fora da cidade antes do massacre da mesma.
Quanto ao risco de sermos cobiçados, de nossos filhos serem cobiçados pelos homossexuais, será o mesmo que existe por parte dos héteros, e não importa o quanto estrebuchemos. 
Meu filho não sai de casa e se casa com uma libertina apavorante, porque é o padrão moral que ele aprendeu com minha educação presente que ele usa como critério para escolher sua esposa, e se apesar de ele ter um senso moral elevado, de eu insistir em conversar abertamente sobre o erro do programa de conteúdo homossexualizante da escola, de eu ser uma mãe católica, ele escolhe casar-se com um homem, é um sinal de que nada o demoveria de seguir o que seu espírito manda. Neste caso, o que é sugerido? Cura? Marginalização? 
Homossexualidade, não há o que temer, estamos vivos e cheios de graça, prontos a reagir, não estimulemos, mas não marginalizemos em nome de Deus. Pense se não é a promiscuidade que te apavora, e que confundes com homossexualidade, escolha que abriga tantos promíscuos, mas que não a definem. Os meus amigos homossexuais são bem resolvidos e não sofrem como Cristo sofreu, nem tampouco afrontam com heresias a fé alheia, mais antes são devotos e praticantes, tão entrosados nas religiões que escolheram praticar quanto qualquer hétero.
Com a recente decisão americana, os promíscuos estão desnudos: Sodoma! Depois não diga que não avisei!

Foto: De uma noite em que temi pelo destino da maioria

Estados Unidos Reconhece Oficialmente o Casamento entre Casais do Mesmo Sexo

De acordo com a Catholic News Agency, a Suprema Corte americana acaba de decidir que o casamento gay é um direito constitucional e solicitou que os estados membros redefinam o casamento que deve incluir casais do mesmo sexo, e garantir direitos iguais às uniões hétero.
Eu penso que este reconhecimento levará a problemática para outro estágio, penso que é um avanço que se fez impostergável. OS casais pediam igualdade e dignidade diante dos olhos da lei, o que acaba de ser concedido.
Com o reconhecimento oficial, será percebido é que saem algumas grandes dificuldades legais de cena e entram outras sociais, não menores. Mas estas, afinal sempre estiveram presentes, mas de uma forma ousada, informal.
Quando a responsabilidade legal não exclui ninguém, talvez se brinque menos. 
Eu torço para isso.

A Rainha Elizabeth na Alemanha

A Rainha Elizabeth e o Duque de Endimburgo estão na Alemanha em visita de estado prevista para quatro dias. 
Após cumprir agenda de encontros com a Chanceler alemã, Angela Merkel, a Rainha visitou a embaixada britânica em Frankfurt, que preparou uma solenidade no jardim, para recebê-la. 
Acredito que brevemente veremos desdobramentos positivos desta conexão entre dois expoentes femininos tão fortes na política universal.
Foto: extraí da página Queen Elizabetg II, facebook

16 fevereiro 2015

Fatos sobre Água Congelada em Icebergs, divulgados pela NASA Earth Observatory

Diz a chamada da NASA Earth Observatory em uma publicação: Icebergs não têm predominantemente a cor branca com a qual a maioria de nós costuma associá-los. Nem branco sujo, nem acinzentado. 
e conforme podemos ver pelas fotos de Alex Cornell, realizadas na Antártica, ao capotarem, causando tsunames ou não, mostram bases em azul ultramar, ou verde esmeraldino de causar taquicardia, saibamos disso ou não ao avistarmos um por este ângulo - barriga, diz a matéria.
Nesta temporada, não pude ir em pessoa até lá, nem tampouco em férias com a família, como o Alex, mas já visualizei estas maravilhas sozinha.
Acima, as fotos de Alex Cornell, abaixo, tela que pintei em 1996